segunda-feira, 1 de junho de 2009

Fogo

Eu vi o que não esperava
Eu vi a fraca centelha da esperança
Fraca, quase sem luz
Se ascender por mais um pouco
E persistir
Talvez ela me corresponda
Tsc, pareço um menino de 5ª série
Atônito, aflito
Que patético é o amor
Mesmo sabendo que o fogo
Um dia irá brilhar em um auge de esplendor
No fundo sabemos que só restarão cinzas
E no final,
Serão dois velhos se perguntando
''Não vejo porque te amei’’

Alberto Mateus Sábato Sousa - Alberto Desking

3 comentários:

  1. Pô vc me fez chorar ao ler esse poema
    put muito doido.......=>>>

    ResponderExcluir
  2. Esse foi do meu colega Alberto ele manda bem pacas

    ResponderExcluir